Ambientes disponíveis

Olá, seja bem-vindo(a)! 

A escrita do próprio nome é uma boa situação para trabalharmos com modelo”, diz Ana Teberosky em seu livro Psicopedagogia da Linguagem Escrita, de 1989. Segundo ela, o nome próprio informa a criança sobre as letras, sua quantidade, variedade, posição e ordem. Além disso, serve de ponto de referência para confrontar as idéias das crianças com a realidade convencional da escrita.

Neste curso você poderá investigar e aprofundar as estratégias que as crianças de 4 a 6 anos colocam em jogo ao escreverem seus próprios nomes e também vai refletir sobre algumas propostas que desafiam as crianças, possibilitam  avanços em suas aprendizagens e as reconhecem como sujeitos potentes.

Bom curso! 

Nesse espaço, coordenadores pedagógicos poderão acessar os materiais para a implementação do Módulo 1 - identidades e nomes próprios, do programa Melhoria da Educação e do Módulo 2 - Brincar, ler e escrever.

Sabemos que o(a) diretor(a) exerce diferentes funções na escola.  Uma proposta que valoriza e considera os saberes e competências das crianças e compreende que o papel do adulto é apoiar e criar bons contextos para a ampliação de suas aprendizagens exige um gestor afinado com essas ideias. O que compete a este profissional para ter uma equipe colaborativa e afinada nas mesmas concepções. Neste curso as reflexões acontecerão em torno do direito da criança à participação na cultura escrita, o conceito de equidade apresentado pela BNCC e principalmente como se dá a aquisição da linguagem escrita. Serão analisadas algumas propostas encaminhadas com as crianças pelos professores em parceria e com o apoio da coordenação pedagógica.

Bom curso!


Este espaço é reservado exclusivamente para os membros da equipe técnica que participam do grupo de coordenação do projeto. Aqui poderão ser encontrados todos os materiais de orientação, registros, etc.